O Símbolo Perdido - Dan Brown

Sinopse

Depois de ter sobrevivido a uma explosão no Vaticano e a uma caçada humana em Paris, Robert Langdon está de volta com seus profundos conhecimentos de simbologia e sua brilhante habilidade para solucionar problemas. Em O Símbolo Perdido, o célebre professor de Harvard é convidado às pressas por seu amigo e mentor Peter Solomon – eminente maçom e filantropo – a dar uma palestra no Capitólio dos Estados Unidos. Ao chegar lá, descobre caiu em uma armadilha. Não há palestra nenhuma, Solomon está desaparecido e,a o que tudo indica, correndo grande perigo. Mal’akh, o seqüestrador, acredita que os fundadores de Washington, a maioria deles mestres maçons, esconderam na cidade um tesouro capaz de dar poderes sobre-humanos a quem o encontrasse. E está convencido de que Langdon é a única pessoa que pode localizá-lo. Vendo que essa é a sua única chance de salvar Solomon, o simbologista se lança numa corrida alucinada pelos principais pontos da capital americana: o Capitólio, a Biblioteca do Congresso, a Catedral Nacional e o Centro de Apoio dos Museus Smithsonian. Neste labirinto de verdades ocultas, códigos maçônicos e símbolos escondidos, Langdon conta com a ajuda de Katherine, irmã de Peter e renomada cientista que investiga o poder que a mente humana tem de influenciar o mundo físico. O tempo está contra eles. E muitas outras pessoas parecem envolvidas nesta trama que ameaça a segurança nacional, entre elas Inonue Sato, autoridade máxima do Escritório de Segurança da CIA, e Warren Bellamy, responsável pela administração do Capitólio. Como Langdon já aprendeu em suas outras aventuras, quando se trata de segredos e poder, nunca se pode dizer ao certo de que lado cada um está. Nas mãos de Dan Brown, Washington se revela tão fascinante quanto o Vaticano ou Paris. Em O Símbolo Perdido, ele desperta o interesse dos leitores por temas tão variados como ciência noética, teoria das supercordas e grandes obras de arte, desafiando-o a abrir a mente para novos conhecimentos.



Dizem que Dan Brown é o mestre do ficção histórica. Seus livros, “O Código Da Vinci”, “Anjos & Demônios”, “Fortaleza Digital” e “Ponto de Impacto” foram super vendidos no mundo todo e, para quem não sabe, foi O Código Da Vinci que iniciou no Brasil a cultura de se comprar livros no original em inglês. Cheguei à conclusão de Dan Brown é o mestre da repetição.

Seu mais recente lançamento, O Símbolo Perdido (Sextante, 483 páginas) prova que, apesar de um romance denso, Brown não consegue inovar e permanece sempre à sombra do escritor polêmico que desvenda grandes segredos da humanidade através do seu protagonista, Robert Langdon.

Nunca li Anjos & Demônios e O Código Da Vinci, mas como qualquer pessoa normal, assisti aos filmes. A impressão que tive enquanto lia O Símbolo Perdido era que estava lendo um livro repetido. De modo geral, Langdon se vê envolvido contra a sua vontade em mais uma corrida contra o tempo.

Quando Peter Solomon, importante maçom americano, o contata em sua casa em Cambridge solicitando uma palestra no Capitólio, Robert não poderia saber que, na verdade, seu amigo tinha sido seqüestrado por um homem misterioso, dotado de grandes conhecimentos sobre arte e história maçônica. Como resgate, Mal’akh exige que Langdon desvende um enigma da Pirâmide Maçônica, cuja lenda diz que esconde um poder inimaginável denominado Antigos Mistérios e que pode dotar a mente de quem o descobrir de capacidades sobre-humanas.

Com enigmas intrincados, muita ação e informações sobre a Francomaçonaria, O Símbolo Perdido é um grande livro quando analisado sozinho. No contexto da obra de Dan Brown, o enredo é praticamente o mesmo das duas outras aventuras de Langdon: um enigma que promete mudar o curso do mundo, a história do vilão (quase sempre mentalmente perturbado ou movido por fé cega), uma mulher inteligente que sempre o ajuda em sua caçada, uma perseguição policial que o simbologista consegue driblar até certo ponto e um final pouco satisfatório, que invariavelmente termina com a morte do vilão e uma lição de moral.

Mudam os cenários, a cidade, os nomes. Mas é só uma tentativa frustrada de tentar repetir o feito de “O Código Da Vinci”. Pena que não consegue, nem de longe.

Um dos poucos méritos dos livros são as descrições bastante instigantes sobre ciência noética. Conceitos como pensamento e atração, modificação da matéria física, poder mental e existência de alma são introduzidos na obra através de personagens céticos e pragmáticos, o que só reafirma a sua veracidade.

Portanto, se você ainda não leu e nem viu o filme das outras histórias desse famoso simbologista de Harvard, O Símbolo Perdido é uma ótima pedida. Do contrário, tente ler sem fazer comparações entre as obras… ou vai acabar se decepcionando.

Livro: O Símbolo Perdido
Autor: Dan Brown
Páginas: 516
Editora: Sextante
- Resenha escrita por: Igor Silva 

10 comentários:

  1. Ja escutei de tudo sobre esse livro. Ja escutei q eh o melhor do Dan Brown das sagas do Langdon, e ja escutei que eh o pior tb.
    Como eu sofri MUITO p/ terminar de ler Angels and Demons, eu decidi nem tentar esse! haahahah
    Livro de adulto nao funciona p/ mim... =)

    ResponderExcluir
  2. Olá!
    Eu gostei muito do livro, mas ele poderia ter umas 50 paginas a menos. O final é monotono e muito enrolado. Totalmente desnecessário.
    Bjs

    ResponderExcluir
  3. Eu concordo com a Hérida. Curti, mas eu faria uma senhora 'dieta' no livro.

    Bjs

    ResponderExcluir
  4. Isso porque vc nem leu os outros livros...

    Eu gosto das histórias dele, mas concordo plenamente quanto à caracteristica de repetição. Pra quem, como eu, leu as outras duas aventuras de Langdon e mais outras duas, sem ele, sabe que o autor tem um molde, o qual usa para todos os livros... Ler um só é bom, dois ainda vão, mas quando passamos disso vem aquela decepção de história repetitiva mesmo... Mas é a vida, né?
    Ainda pretendo ler o Símbolo Perdido, daqui pro mês que vem. Vamos ver no que dá..
    Beijos!

    ResponderExcluir
  5. Eu já li "O Código da Vinc" e "Anjos e Demônios" e, mesmo assim, consegui gostar de "O Símbolo Perido". Acho que, pelo fato de todo mundo ter me falado muito mal sobre o livro, acabei esperando pouco demais e recebendo bastante, entende-me? Gostei, gostei sim. Gostei porque me interesso pelo assunto, acho-o interessante, intrigante, questionador... Não sei. Simplesmente gostei.

    ResponderExcluir
  6. Não li nenhum livro do Dan ainda, mas tenho vontade. É bom dar uma inovada no tipo de historia sabe? rs, então vou tentar ler algum dele.

    ResponderExcluir
  7. Eu detestei esse livro. Dan Brown quer dar uma de Mister M da história e sair revelando segredos e acaba pirando na batatinha. Viajem pura.

    ResponderExcluir
  8. Estou lendo, quase terminando, este livro. Já li O Codigo Da Vince, Fortaleza Digital e Anjos e Demônios...
    Estou adorando. É o tipo de leitura que me atrai, gosto da aventura, dos cenários e descrições feitas pelo autor. Apesar do mote ser sempre o mesmo (vilão contra mocinho) achei bem empolgante.

    ResponderExcluir
  9. Eu lí Anjos e Demônios, e lí esse aí. As histórias dele são boas sim! Ele só não foi feliz no final, dando mais páginas a coisas poucas e enfadonhas =z

    ResponderExcluir
  10. Fernanda huguenin14 de maio de 2011 16:18

    Eu li toda os 3 livros d autor com o Robert Langdon, o inicio dele eh um pouco arrastado,dos livros eu prefiro O Codigo Da vinci.

    Mas esse livro é mto bom tbm ^^

    ResponderExcluir