Pra Ser Sincero & Mapas do Acaso + Promoção Especial

Olá pessoal! Hoje venho com resenha em dose dupla pra vocês. Li recentemente os dois últimos livros do Humberto Gessinger, Pra ser sincero & Mapas do acaso, ambos publicados pela Editora Belas Letras. Espero que curtam o post! ♪''


Pra Ser Sincero: 123 Variações Sobre Um Mesmo Tema


Em 11 de janeiro de 1985, mesmo dia da abertura da primeira edição do Rock in Rio, Humberto Gessinger subia ao palco do auditório da Faculdade de Arquitetura da UFRGS de cabelo new wave e bombacha, para o primeiro show de uma banda que tinha nascido para durar uma noite só. Era para ter se chamado Frumelo & Os Sete Belos, mas ninguém gostou, então os integrantes da banda resolveram fazer uma brincadeira com os estudantes de Engenharia e os surfistas que frequentavam o bar da universidade, que estava a pelo menos 100 quilômetros do mar. Engenheiros do Hawaii. Vinte e cinco anos depois dessa estreia, Humberto Gessinger – que acompanhou todas as formações desde o primeiro show – lança neste livro seu olhar sobre a trajetória do grupo, sobre cada uma das composições e revela curiosidades e bastidores das gravações. Com fotografias inéditas, informações sobre cada um dos discos, letras comentadas e um diário de 1984 a 2009, Pra Ser Sincero é um livro sobre uma banda que era para ter durado uma noite só, mas que acabou escrevendo um capítulo da história do rock brasileiro, mesmo estando longe demais das capitais.

Engenheiros do Hawaii é certamente uma das bandas nacionais que mais ouço se não a mais  então, concordo e assumo ser suspeita para comentar sobre qualquer coisa relacionada aos  EngHawMas assumo o compromisso aqui, de fazer uma resenha fiel. Então já sabem, quaisquer elogios aqui feitos, serão verdadeiramente por mérito do livro.

O livro foi escrito pelo Humberto Gessinger, líder da banda (vocalista, as vezes baixista outras vezes guitarrista, tecladista, pianista... enfim, MÚSICO), ele conta a história da banda: como surgiu, porque surgiu... os integrantes, etc. Não é de forma cansativa, nem curto, nem grande demais, na medida certa. 


O livro começa com um breve relato sobre a vida do Humberto, sua infância, sua adolescência... Nos levando até o ano de 1985, onde no Brasil acontecia a primeira edição do Rock in Rio e em Porto Alegre a banda feita para durar apenas uma noite, se apresentava, pelo o que a seria primeira e última vez, no auditório da faculdade. Estreia e despedida dos Engenheiros, aconteceriam no dia 11 de janeiro.


Mas para a minha felicidade, e de todos os fãs espalhados por aí, a banda não durou apenas uma noite como era o planejado. Eles conquistaram o Brasil com seu jeito diferente de fazer música, fora do padrão a que todos estavam acostumados.


Depois desse breve apanhado sobre o início de tudo, a narrativa vai correndo de ano em ano. Começando em 1986, quando a banda dava os seus primeiros passos e indo até 2009. Assim, ele fala o que estava acontecendo com a banda naquele determinado ano, dos shows, das conquistas, dos cds lançados, das novas músicas, das mudanças... 

Livro essencial para quem é fã da banda, principalmente para aqueles, que assim como eu, nasceram depois que a banda já havia sido criada, e não pôde acompanhar em tempo real a história deles. Músicas que falam por nós... que emocionam, que ironizam, que divertem... Pra ser sincera, esse livro, essa banda, essas músicas... valem MUITO a pena. 


Porque o subtítulo '123 variações sobre um mesmo tema'? Porque no finalzinho do livro tem a letra de 123 músicas, algumas com alguns comentários a respeito de sua criação ou sobre algum outro fato que ele decidiu citar ali.¹


"Somos o que há de melhor, somos o que dá prá fazer. O que não dá pra evitar e não se pode esconder..." — 3x4 

Classificação final:



Mapas do Acaso: 45 variações sobre um mesmo tema


Neste livro, Humberto Gessinger passa o passado a limpo, resgata momentos especiais da sua intimidade desde menino e conta novas velhas histórias dos Engenheiros do Hawaii, nunca antes publicadas. De Passo Fundo a Moscou, passando por "Esparta Alegre", lembranças de um futuro que ele imaginava dão forma a essas linhas conduzidas pelos mapas do acaso. Para saber qualé a dele e da sua poesia, que é pura grandez a partir de coisas simples, é só embarcar... e seguir viagem...


Nesse segundo livro a narrativa é um pouco diferente. O Humberto não está tão focado em contar a trajetória, por assim dizer, da banda. Ele escreve sobre coisas aleatórias, fala sobre sua vida, sobre alguns fatos ocorridos.


A leitura flui naturalmente. Através de detalhes que ele observa e reflete sobre, ele faz com que nós também paremos para pensar naquilo. Coisas e fatos que facilmente passariam despercebidos aos nossos olhos. Acho que é aquilo que dizem, é a alma de poeta


A capacidade de fazer do feio, belo. De transformar fatos do nosso cotidiano em poesia, em música, em emoção. De descrever em algumas linhas, sentimentos de milhares de pessoas. Da sua falta de objetividade, que só faz com que a atenção e o cuidado ao ouvir suas músicas se tornem algo, incrivelmente minucioso.


Quando ouvimos uma música, as vezes, pensamos: "o que será que quem compôs estava pensando, sentindo?" E muitas vezes nos identificamos com aquilo, ouvimos a nossa história ali, escrita e transformada em música por um desconhecido. Eu cresci ouvindo os EngHaw, várias músicas deles me marcaram e foi deliciosamente prazeroso saber sobre o que se passava na cabeça do Humberto ao compor tais canções.  


Você pode até não ser grande apreciador da banda, mas acho um pouco difícil que nunca tenha escutado nenhuma música dos EngHaw. Não conheça os conheça apenas superficialmente, dê uma chance e ouça. Algumas pessoas não gostam, isso é fato. Mas muita gente gosta, então, acho que vale a pena conferir e tirar suas próprias conclusões a respeito.


Se você conhece o trabalho deles e está certo de que não gosta, é sem sentido a leitura, então, eu não recomendo. Se você não conhece o trabalho deles, faça o que eu disse no parágrafo anterior, ouça, e caso te agrade, parta para o próximo passo, os livros. Se você conhece o trabalho deles e curte a banda esses livros passam a ser uma leitura obrigatória. Foi incrível poder descobrir detalhes sobre essa banda que vem fazendo história desde a década de 80.


Isso foi um pouco dos Engenheiros do Hawaii pra vocês. A banda feita para durar apenas uma noite, mas que ficou e ficará presente na vida de muitos, através de suas músicas que marcaram e continuarão marcando gerações. 


O livro pode ser visto como a história da banda ou como a história do próprio Humberto? Não sei, talvez sejam a mesma coisa. Afinal, ele é o único que continua na banda desde a formação inicial. Ele começou com a banda em sua adolescência e permanece até hoje, no Duo do Pouca Vogal, então, acho impossível falar de Humberto Gessinger e não falar de Engenheiros do Hawaii e vice-versa.  


Porque o subtítulo '45 variações sobre um mesmo tema'? Porque no finalzinho do livro tem a letra de 45 músicas, algumas com alguns comentários a respeito de sua criação ou sobre algum outro fato que ele decidiu citar ali.²


"O preço que se paga as vezes é alto demais..." — O preço
  
Classificação final:




                 PROMOÇÃO ESPECIAL PRA QUEM COMENTAR NO POST                      


Assista ao vídeo para saber o que será sorteado entre os comentaristas. E caso queira participar do sorteio, deixe no final do seu comentário um "Quero participar" e/ou e-mail pra eu entrar em contato. Dessa forma, vou saber quem quer concorrer. Mas não vale comentar só isso, leia as resenhas também e me fale o que achou.




 O SORTEIO SERÁ FEITO DIA 31/07/11  

Sorteio feito! E quem levou foi o Nicholas do blog Tudo por um livro! — Confiram o resultado aqui.
Ps: Levei em consideração quem deixou o quero participar no comentário e/ou e-mail!

                                                                                                                                                                





Obrigada pela visita!
Até o próximo post.

19 comentários:

  1. Achei muito legal conhecer um pouco mais sobre a história do Engenheiros, não sabia que eles eram pra ter sido uma banda de uma noite só, que bom que não foram!
    Não pude deixar de ficar com "Pra ser sincero" na cabeça!

    Quero participar do sorteio ^^
    Marcadores lindos!

    Beijos!

    ResponderExcluir
  2. Engenheiros do Hawaii! Adoro, bom saber desses livros, o bom é que se eu pedir para meu pai, ele compra e até lê, afinal, minha paixão de bandas nacionais nasceu só por causa dele, rs.
    Ótimas resenhas (:

    Quero participar do sorteio, lindos marcadores.
    Beijos.
    @JuuOli

    ResponderExcluir
  3. Hummm, super interessante! Eu acho muito legal quando o vocalista (ou qualquer integrante de uma banda) lança um livro sobre a trajetória dela. Porque afinal de contas quem mais fica "faceiro" são os verdadeiros fãs né? Fica como uma relíquia, algo assim... Eu sou fã dos Engenheiros também mas não a ponto de querer ler o livro, saber mais a respeito e tal, entende? Eu gosto especialmente do CD Acústico MTV! Nossa, esse CD é show e eu tive que comprá-lo! Muitas músicas já falaram muito por mim, como "Para ser sincero", "Infinita Highway", etc...
    =)
    Ótima dica para os fãs e para quem gosta de música em geral né??
    =D

    Beijos flor!

    (Quero participar, com certeza!)

    ResponderExcluir
  4. Passei minha adolescência (anos 90) ouvindo essa banda. Eu tinha um grupo de amigos que se reunia na rua de casa, todas as noite, com violão e gaita. E cantávamos TODAS as músicas da banda! Eu adorava o H. Gessinger. Seu post deu saudade dessa minha época. :)

    Beijão.

    ResponderExcluir
  5. Acho legal livros contando a história de bandas brasileiras.
    É muito bom quando a gente inicia um projeto na adolescência, como é o caso do Engenheiros, e dá tão certo! Deve ser incrível!

    Quero participar do sorteio!

    Beijinhos!

    vsalescosta@gmail.com

    ResponderExcluir
  6. Parecem ser livros interessantes :D Gostei! ótimas resenhas. Parecem tipos de livro que vou gostar Nunca li nada assim, mas me interessei bastante :3

    Beijos, World of Carol Espilotro - carolespilotro.blogspot.com

    Jaac.Carol@gmail.com

    ResponderExcluir
  7. Meninas, adoro as músicas do Engenheiros, mas nunca me aprofundei na história da banda. Achei muito legal a abordagem dos livros e, principalmente, a origem do nome! haha

    Beijinhos
    Quero participar também!

    ResponderExcluir
  8. oi girrrls,
    Não sou muito fã da banda, e o que eu conheço, inclusive as músicas é culpa da minha mãe e do meu padrasto que escutam direto hehehe
    E achei bem legal o porquê do nome da banda, eu n sabia.
    E achei bem legal esse lance das 123 músicas :D
    E o mapas do acaso é o livro que o Humberto vai vir autografar aqui em jf né?! hehe

    E eu quero participar o/o/o/
    bjs ~

    ResponderExcluir
  9. Uhh, nao conhecia a banda, e nenhuma musica - ou vai ver minha memoria é que nao presta mesmo, é bem possivel -qq hahahahah
    Mas achei interessante os livros, apesar de nao ser nenhum YA ou chick-lit hahahah, não os descarto da minha lista de leituras :)
    E que bom que vocês também gostaram dos livros né?
    E é lógico que quero participar da promo \o_
    Beijoca!

    www.estantechick.com

    ResponderExcluir
  10. Engenheiros..num tenho nem oq falar dessa banda maravilhosa q já marcou vários momentos da minha vida com suas belas e tocantes canções!Melhor ainda é poder conhecer um pouquinho mais de sua história através desses dois livros,que como a banda devem ser excelentes!
    È claro que eu não poderia ficar de fora dessa promoção!!e tenho certeza q vou ganhar..
    rsrsr
    bjuss :)

    ResponderExcluir
  11. Amo Engenheiros *_* o Humberto escreve DEMAIS
    Estou seguindo aqui menina
    Beijos
    Bruna
    http://desbravandohistorias.com.br/

    ResponderExcluir
  12. Oi Mandinha!
    Adorei as resenhas, mas apesar de curtir as músicas não é um livro que eu me anime em ler. Quem sabe mais para frente eu mude de ideia :)
    Ahh... quero participar da promoção!!
    beijooos

    @JuhSutti
    Livros e blablablá

    ResponderExcluir
  13. Olá, Mandinha!!
    Adorei conferir aqui a história deste livro destinada aos fãs de Engenheiros do Havai! Fiquei bem curiosa para ler e conferir de perto a trajetória do vocalista da banda.
    Bom findi.
    Bjos.

    Mariana Ribeiro
    Confissões Literárias.

    ResponderExcluir
  14. Acho bacana estes livros , saber mais sobre a banda, saber a história e por tudo que possou *-*
    Sem bom ler livros assim.

    Quero participar

    ResponderExcluir
  15. Bom, achei a ideia dos livros interessantes, ouço algumas musicas mais não sou fã, então não compraria o livro, mais se fosse, com certeza. Gostei da resenha.

    Quero muito participar do sorteio. *_*

    Elder Koldney
    Beeijos;*

    ResponderExcluir
  16. Engenheiros do Hawaii é, sem dúvidas, umas das maiores bandas do Brasil. Eu gosto bastante deles. Faz tempo que quero ler os livros do Humberto Gessinger. Se ele escrever tão bem quanto compõe, os livros com certeza são ótimos.

    Eu quero particicpar da promoção! =D

    tainarahijaz@hotmail.com

    ResponderExcluir
  17. Não sou muito fã desse tipo de livro, mas quem sabe eu não leio né?! Uma amiga minha sempre me falou bem da banda e as resenhas me interessaram.
    E sim! Eu quero participar heheh'
    Beijos
    Geê - algodisso.blogspot.com

    ResponderExcluir
  18. ESQUECI DE COLOCAR O EMAIL HEHEHHE

    geovanna_47@hotmail.com
    @GeeGaspereti

    ResponderExcluir
  19. Sabe quando encontramos um amigo e ficamos batendo papo por horas a fio? Se, em algum ponto da conversa, procuramos o fio condutor que nos levou até ali e não conseguimos encontrar? Mas, tempos depois lembramos uma frase ou observação e comentamos "não lembro bem onde foi que ouvi" ou "certa vez alguém me disse". Essa é a sensação ao ler a obra de Humberto Gessinger. Um papo que vai se alongando, se alongando, gostoso de conversar, mas difícil de detectar um foco central. Talvez o foco central seja exatamente esse: uma conversa entre amigos, sobre tudo e sobre nada, totalmente descompromissada. A sensação de amizade que tive, talvez não seja compartilhada por alguns leitores (provavelmente metade dos gaúchos não compartilhe da minha opinião). A falta de sintonia certamente ocorrerá com a maioria dos colorados. Ocorre exatamente o inverso com os gremistas que encontram mais pontos de concordância com o amigo interlocutor. Outra proximidade gostosa que senti na conversa com Gessinger está na localização espaço-temporal de suas reminiscências: falar do Rio Grande e suas peculiaridades e das décadas de 80 e 90 em que os Engenheiros do Hawaii fizeram sucesso agrada-me muito. Independentemente daqueles que não tiverem esses pontos de aproximação com o autor (gremista, gaúcho e quarentão) certamente poderá se deliciar com o texto de Gessinger: um texto simples e suave sem ser simplista. Outra característica que agradará a todos os amantes das letras é que Humberto Gessinger não é um cara comum e, não o sendo, não utiliza-se de lugares comuns e não teme defender pontos de vista comumente considerados caretas ou ultrapassados. Não ter medo de remar contra a maré é, na minha opinião, excelente indício de personalidade a ser conhecida. http://palavra-vital.blogspot.com/

    ResponderExcluir