Não me abandone jamais - Kazuo Ishiguro


Sinopse: Kathy vai dar uma guinada na vida: será "doadora", depois de anos em clínicas como "cuidadora". Em tom ingênuo, ela evoca Hailsham, o internato onde cresceu, no interior da Inglaterra. Mas o leitor logo percebe as fissuras na aura idílica das suas memórias. Por que, com tanta perfeição em Hailsham se respira medo? Por que o isolamento? Por que os alunos são especiais? Um universo familiar e desconhecido, em que o cotidiano é rígido pela frustração. Ao descobrir a chave de seu destino, Kathy já não tem forças para mudá-lo.

Sempre me preocupei sobre como eu estaria no fim da minha vida. Terei trabalhado com o que sonhei? Vou conhecer os lugares que planejei? Meus grandes amigos serão os mesmos? Vou ter a sensação de dever cumprido ou vou pensar: “caramba, como é que eu cheguei a esse ponto?”. Devaneios demais? Paranoia? Sei lá, talvez... Mas você, provavelmente, já parou pra pensar nisso também. E mesmo com tantos questionamentos possíveis um em especial me atormenta mais, a solidão.

Não importa se viverei com um marido e filhos ou rodeada de amigos, contanto que eu tenha alguém ao meu lado. Alguém que eu me importe e que se importe comigo, isso basta. Tenho medo do que ainda nem aconteceu. Tenho medo de perceber que perdi tempo, de perceber que não fiz o que deveria ou o que gostaria. Porque, sejamos honestos, temos que reconhecer que pode sim, ser tarde demais. Contrariando Renato, não, nós não temos todo o tempo do mundo.

Somos introduzidos à história pela narrativa de Kathy, quando a história começa ela tem 31 anos, mas através de suas lembranças vamos conhecer sua infância e adolescência, época de sua vida que ela passou em Hailsham — um internato no interior da Inglaterra — ao lado de seus amigos Ruth e Tommy. Nós pouco sabemos sobre esse internato, sobre os professores — ou melhor, Guardiões — sobre os três amigos e sobre as outras pessoas que lá residem. O que fica perceptível logo no início é o fato de que os alunos de Hailsham são especiais, mas demora um pouco para descobrirmos o porquê disso.

É um momento gélido, esse, o da primeira vez em que você se vê através dos olhos de uma pessoa assim. É como passar diante de um espelho pelo qual passamos todos os dias de nossas vidas e perceber que ele reflete outra coisa, uma coisa estranha e perturbadora. Página 50

Não me abandone jamais é um livro essencialmente triste. E eu o considero assim, pois, ele nos remete a centenas de questionamentos. São questionamentos necessários e engrandecedores, eu diria. Sobre o ser humano, de um modo geral, sobre como muitas vezes temos uma visão turva e superficial das coisas e nos julgamos profundos conhecedores dela. Sobre os nossos valores e como eles podem estar equivocados, às vezes.

E eu me arrisco a te perguntar: o que nos faz “pessoas”? Pode parecer uma questão vaga e sem propósito, mas fará todo o sentido ao término dessa leitura. E todos aqueles meus devaneios presentes no início dessa resenha talvez se façam presentes em seus pensamentos quando você — que me lê agora — iniciar a leitura deste livro, ou talvez, os seus devaneios sejam totalmente diferentes dos meus, mas é fato que: você não chegará ao fim desse livro sem, pelo menos, uma pergunta que, provavelmente, o assombrará por alguns dias.

Classificação final:


Livro: Não me abandone jamais
Autor: Kazuo Ishiguro
Tradutora: Beth Vieira
Páginas: 343
Editora: Companhia das Letras
PS: Tem um filme, de mesmo nome, baseado no livro. Logo que terminei a leitura assisti a adaptação, gostei bastante! Mas, se tiverem intenção de ler o livro não recomendo que assistam nem ao trailer, pois fatos que só descobrimos na metade do livro pra lá são revelados nesses poucos minutos. — Aviso dado! Caso queira assistir ao trailer clique aqui.

12 comentários:

  1. Eu assisti ao filme bem antes de saber que existia o livro e agora estou doida para lê-lo. Adorei o filme e quero conhecer a escrita desse autor e também chorar com o livro, porque o filme foi muito triste. Sim, eu fiquei pensando nesse filme por vários dias.
    Se eu soubesse que existia o livro iria ler antes, assim como fiz com Um dia.

    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Oii... Então.. a capa é triste por si só. Mas o enredo é inteligente e incomum. Pra ler tem que tá com uma energia bem boa.

    Quanto ao filme, sou suspeita pra falar pq eu sempre detesto as adaptações de livros.

    Quem sabe um dia leio??

    Beijão. =*

    ResponderExcluir
  3. Vi o filme na locadora esses dias mas não peguei pois sabia que tinha o livro, e gosto de ler o livro antes.

    A resenha ficou bem explicativa e sincera, o que gosto (e que encontro) na maioria das resenhas!

    Quero ler! ^^

    Beijos!

    Rafa-@EuMaisLivros
    blogeumaislivros.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  4. Hm, acho que sei que filme é esse, vi o trailer há algum tempo atrás e me senti bem... como se diz? Com os sentimentos "atrapalhados" ao ver o trailer. Não me lembro do que ele trata muito bem, graças a Deus, porque agora que descobri que tem livro, vou querer ler.
    Não me importo que seja um livro triste, o que gosto muito é das reflexões que fazemos ao final da leitura. Gosto de livros que mexem com a gente, que nos fazem questionar a razão de algumas coisas essenciais da vida.
    Sua resenha, com certeza, mexeu comigo. E eu vou ler o livro. Não logo, mas vou ler :)
    Beijos.

    ResponderExcluir
  5. Parece ser uma obra muito interessante, vou adicioná-la na minha estante!


    Olá!
    Vim aqui para convidá-lo(a) a conhecer o meu livro que lançará agora em Setembro 2012. Peço mil desculpas pelo “spam”, mas é muito difícil divulgar livros, sobretudo aqui no Brasil. Nós, autores nacionais, ainda somos muito desvalorizados, mas continuamos na luta para que esse fato seja revertido!
    Sendo assim, gostaria que conhecesse a minha obra chamada “Meu Conselheiro de Luz”. Trata-se de um romance voltado para a literatura juvenil.
    Seria de grande ajuda que você adicionasse a obra em seu skoob:
    http://www.skoob.com.br/livro/257467
    E no facebook:
    https://www.facebook.com/MeuConselheiroDeLuz
    Desde já agradeço a sua atenção e tenha um ótimo dia!

    ResponderExcluir
  6. Mesmo não sendo meu estilo, o livro parece ser ótimo!
    Parabéns pela resenha!

    Um beijo,
    Vinícius - Livros e Rabiscos

    ResponderExcluir
  7. Amei sua resenha
    livro intrigante
    e obrigada pela dica, irei ler o livro antes do filme!

    http://www.lostgirlygirl.com/

    bjos

    ResponderExcluir
  8. Oi flor,
    hummm estou sentimental demais para ler algo desse genero agora...ehehe...acho que vou esperar um pouco.
    Bjss
    Raquel Machado
    Leitura Kriativa

    ResponderExcluir
  9. Amanda <3
    Quando li o nome do livro já li cantando uma música de alguém que eu n lembro o nome mas tinha essa frase como refrão, ufa kkkkk
    Sobre o livro, confesso que achei a estória meio confusa. (talvez eu que tenha lido sua resenha de forma errada). E só de ter lido livro triste isso já me fez querer ler - sim, amo livros tristes e poder chorar como se não houvesse amanhã.
    Fiquei curioso como se pronuncia o nome do orfanato : Hailsham #weird haha
    beijos!

    ResponderExcluir
  10. Gostei da resenha esse livro concerteza ira para minha lista de livros desejados. adoro esses livros que fazem nos leitores pare e refletir sobre o que nós fazemos ou nao de nossas vidas.

    ResponderExcluir
  11. Oi Mandinha.
    Linda sua resenha, de verdade, mexeu comigo. Não sei se leria esse livro, pois esses assuntos e questionamentos mexem demais comigo, me enfraquecem, bate um medo de chegar lá na frente e não ter feito nada. Enfim...


    Beijos! =)

    ResponderExcluir