A Seleção - Kiera Cass


Sinopse: Para 35 garotas, a Seleção é a chance de uma vida. É a oportunidade de ser alçada a um mundo de vestidos deslumbrantes e joias valiosas. De morar em um palácio, conquistar o coração do belo príncipe Maxon e um dia ser rainha. Para Ameria Singer, no entanto, estar entre as Selecionadas é um pesadelo. Significa deixar para trás o rapaz que ama. Abandonar sua família e seu lar e entrar em uma disputa ferrenha por uma coroa que ela não quer. E viver em um palácio sob a ameaça constante de ataques rebeldes. Então Ameria conhece pessoalmente o príncipe — e percebe que a vida com que sempre sonhou talvez não seja nada comparado ao futuro que nunca tinha ousado imaginar. 

O que conhecemos hoje como Estados Unidos não existe mais. Após a Terceira Guerra Mundial o que existe agora em seu lugar é Illéa, um país onde a sociedade é dividida em castas — Essas castas vão da Um a Oito, e a ideia é: quanto maior o número da sua casta menos dinheiro você tem. A casta Um é composta por membros da realeza e a Seleção é um processo — ou melhor, um evento — onde uma garota é escolhida para se tornar a nova princesa — e consequentemente a nova rainha — de Illéa.

35 garotas entre 16 e 20 anos são Selecionadas para uma “temporada” no palácio, elas vão conviver diariamente com a família real e ao final apenas uma será escolhida para se casar com o príncipe Maxon. A Seleção não tem um tempo exato de duração, ela pode durar 1 mês, 1 ano, 10 anos... O príncipe tem todo o tempo do mundo para se decidir. E não existem regras específicas para as eliminações, o príncipe não precisa eliminar 1 candidata em determinado período de tempo, ele pode eliminar 1 por vez, 5 por vez... Quando ele quiser. A grande questão é: que ele encontre a moça perfeita — dentre as 35, claro — e case-se com ela.

America Singer — nossa protagonista — está entre as 35 Selecionadas, o que a surpreende, afinal, ao contrário da grande maioria das outras garotas ela não está realmente empolgada nem empenhada em conquistar o príncipe Maxon, pois, ela já tem um grande amor — Aspen. E os dois planejam casar-se em um futuro, talvez, próximo, mas as coisas não são tão simples assim.

America é da casta Cinco e Aspen da Seis não é impossível que eles fiquem juntos, mas existe uma burocracia — e certo preconceito — quando uma mulher se casa com um homem de uma casta inferior a dela, mas isso não os preocupa e eles parecem dispostos a passar pelo que for necessário para ficarem juntos. Até que Aspen começa a temer o futuro que poderá dar para America, afinal, as pessoas da casta Seis passam frequentemente por dificuldades, chegam até mesmo a passar fome.

Em razão disso Aspen pede a America que não descarte a possibilidade de participar da Seleção, pois, todas as candidatas recebem certa quantia em dinheiro da família real e Aspen não quer se sentir culpado, pensando que America poderia ter participado e conseguido dinheiro para ajudar sua família, mas não o fez por já estar apaixonada por ele. Sendo assim, America decide tentar e ao ser Selecionada ela parte rumo ao palácio com outras 34 garotas. E ela vai convicta de que não nutriria nenhum afeto pelo príncipe Maxon, mas ao conhecê-lo as coisas não correm exatamente do jeito que ela imaginava.

Dando uma pesquisada por aí percebi que algumas pessoas têm feito comparações deste livro com a trilogia Jogos Vorazes. Há quem discorde e afirme que ambos são totalmente opostos, mas eu confesso que vi algumas semelhanças entre eles. Vou citá-las abaixo:

1) Reality Show: assim como em Jogos Vorazes onde todos de Panem acompanham o que acontece na arena, a Seleção também é televisionada para os moradores de Illéa. No entanto, no livro de Kiera Cass as câmeras não estão posicionadas no palácio em todos os lugares, apenas alguns momentos são transmitidos para a população através de equipes de filmagens que estão no palácio e não “câmeras escondidas”.

2) Castas X Distritos: em Jogos Vorazes temos 13 distritos; em A Seleção temos 8 castas. Então, você me pergunta: o que eles têm em comum? Cada casta — assim como cada distrito — é responsável por desempenhar um papel específico na sociedade. Por exemplo: America é da Cinco e essa casta é composta por artistas — A America é musicista, ela se apresenta cantando e tocando. As pessoas da Quatro geralmente trabalham em lojas, fábricas ou fazendas. Em Jogos Vorazes também tínhamos essa divisão de tarefas. O distrito da Katniss — 12 — era encarregado da mineração, o distrito 11 agricultura, etc.

3) O Evento: Tanto os “Jogos” como a “Seleção” são vistos pelos moradores como um grande evento. Antes de ir para a arena os tributos fazem uma espécie de desfile fato que também acontece quando as Selecionadas estão indo para o palácio.

Alguns podem irritar-se com essas semelhanças, outros podem nem perceber, outros podem achar que os livros não se assemelham em nada... Enfim, “n” opções. Eu, mesmo achando que existem, sim, pontos semelhantes nas histórias consegui apreciar a leitura de “A Seleção”. A leitura é fácil, flui de maneira tranquila e os personagens — em sua grande maioria — são cativantes. Mas acho válido ressaltar que ação não é o forte do livro nem mesmo as intrigas são um fator muito presente. Afinal, convenhamos, são 35 garotas em uma mesma casa — ok, um palácio — disputando um único homem, (ou uma coroa...) eu esperava mais cenas de atrito entre as candidatas. Diria que “A Seleção” é uma distopia glamourizada. 


Classificação final:
(3,5)

Livro: A Seleção — Livro #1
Autora: Kiera Cass
Tradução: Cristian Clemente
Páginas: 368
Editora: Seguinte

[ATENÇÃO]: Eu recebi da editora a prova do livro, ou seja, não é a sua versão final o texto ainda está em fase de revisão. O lançamento do livro está previsto para o dia 21 de setembro de 2012.

24 comentários:

  1. Oi flor!
    Acho que, se mesmo com todas as semelhanças você conseguiu apreciar o livro, isso já basta! O ruim é quando a gente deixa de gostar por se irritar com tanta semelhança, né?
    Achei a premissa interessante, mas não sei se leria no momento.
    E é bom ver que é um distópico glamourizado, porque só assim pra justificar a capa hehe!
    Beijão!

    ResponderExcluir
  2. Li tantas resenhas negativas e positivas sobre ele, tipo, os dois extremos... não tenho certeza se quero ler, mas tenho curiosidade oO

    ResponderExcluir
  3. @Mareska
    Se você gosta de distopias é uma boa pedida! ;) — Distopia com pouca ação, diga-se de passagem.

    ResponderExcluir
  4. Realmente não tem como não comparar com Jogos Vorazes.
    Mas enfim, não é o estilo de livro que eu goste :)
    Até mais.
    Abraços!

    ResponderExcluir
  5. Oie Mandinha =)

    Sou apaixonada pela capa deste livro, mas jamais imaginei que ele fosse tão semelhante com Jogos Vorazes assim. Confesso que isso me desanimou um pouco viu ... sei lá ultimamente anda dificil ler algo que seja 100% original.

    Adorei a sua resenha!

    bjus;


    anereis
    mydearlibrary | bookreviews • music • culture
    @mydearlibrary

    ResponderExcluir
  6. Oi, Mandinha
    Tudo bem?
    Eu estava bem curiosa sobre esse livro unicamente por causa da capa. A história parece boa e acredito que comparações (e semelhanças) com JV vão surgir com qualquer distopia que for publicada agora... Como aconteceu com todos os romances sobrenaturais depois de Crepúsculo, é até natural esperar esse tipo de reação.
    Adorei sua resenha, vou dar uma chance ao livro!
    Adorei o blog.
    Laura
    cataventodeideias.com

    ResponderExcluir
  7. apesar de eu achar que A Seleção é uma mistura de chick-lit com distopia fraca (e não me surpreendem as comparações com o universo de Jogos Vorazes, embora eu ache que as influências em ambos os casos datam de uma literatura ainda anterior a essa, pois nenhuma ideia é realmente nova), fiquei com vontade de ler, pois os conflitos entre os personagens me parecem bastante interessantes. não tem nada de novo no livro, mas ao mesmo tempo ele é atraente, algo de que eu poderia gostar. :)
    Beijocas

    ResponderExcluir
  8. OI Amanda!
    Ainda não havia lido nada sobre este livro. Gostei do que li, pois eu estava meio voando sem saber o que esperar, tipo, algumas meninas em uma casa, sim, e daí? Mas vc foi mais explicativa e até me interessei na leitura. Uma pelo visto não está tão empolgada, mas o dinheiro fala mais alto..e esse príncipe, tomara que seja mais esclarecido sobre ele, até mesmo para conhecê-lo. Gostei da capa, acho legal, já a conhecia.

    Beijos :D
    Ensaios de uma Leitura

    ResponderExcluir
  9. Adorei o termo "distopia glamourizada", hehehe. Eu quero muito ler esse livro, desde que vi a capa em inglês, fiquei torcendo para que a editora mantivesse a mesma aqui no Brasil. E a minha felicidade quando vi que isso seria feito? *o*
    Eu adoro essa coisa de que 35 garotas tem que conviver num mesmo espaço. É coisa de guerra, mas incrível que não tenha guerra! Ainda disputando uma vaga no coração do príncipe? Hehe.
    Falando sério, estou muito ansiosa pra ler esse livro (e a série toda!) e fiquei bem empolgada em saber que a leitura flui bem. Não li Jogos Vorazes ainda, mas eu quero ler ainda esse ano! \o/
    Adorei sua resenha.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  10. A capa é bem bonita, gostei mesmo.
    Curiosa para ler.

    =D

    ResponderExcluir
  11. A capa desse livro é linda! E com tantos livros distópicos sendo lançados acaba havendo essas semelhanças... geralmente eu me incomodo muito com isso, não sei como será minha leitura, mas espero gostar do livro. Também recebi a prova \o/

    Beijos,
    whosthanny.com

    ResponderExcluir
  12. Confesso que nem sabia desse livro, mas gostei da sua resenha e da forma como a distopia é apresentada. Se o tivesse comigo, daria, com certeza, uma chance!

    Beijinhos,
    May :*
    {tagarelando.net}

    ResponderExcluir
  13. Fico bem em dúvida sobre esse livro. No começo ele me interessou por causa da coisa toda de... ter um príncipe. Mas não vi muitas resenhas SUPER positivas. Não sei muito bem o que esperar dele. É um The Bachelor distópico? hahaha

    ResponderExcluir
  14. Que legal Amanda!
    A cada resenha que leio do livro, minha vontade de ler aumenta. É bem interessante, toda essas coisas de castas, seleção. Além de passar num periódo pós-guerra.
    Muito boa resenha, parabéns!

    ResponderExcluir
  15. Eu estava bem em cima do muro, entre ler esse livro o não, mas agora tô morrendo de vontade de ler. Só que a impressão que tenho é a de que é exatamente o que você falou "distopia glamourizada" hahaha Não dá pra negar que a história inicialmente apresenta uma ideia bem legal e original, apesar dessa semelhança decepcionante com Jogos Vorazes quero conferir!

    Mi - CheiroLivros.com

    ResponderExcluir
  16. Pela sua resenha as coisas em comum com Jogos Vorazes ficam só naquilo mesmo, afinal JV é sangrento, doloroso, cruel e A Seleção parece mais uma disputa romântica e bonitinha pelo coração do bonito e rico príncipe.
    Já deu pra ver que esse livro é apenas o primeiro de uma série e talvez por isso não me anime muito a ler, queria muito que os autores reaprendessem a escrever suas histórias em apenas um livro, mesmo que ele tivesse algumas centenas de páginas.
    Não vou negar que fiquei interessada mas vou esperar pelo lançamento de pelo menos mais um livro da série e só ai decido se lerei ou não.

    Beijos
    Caline - Mundo de papel

    ResponderExcluir
  17. @CalineOi, Caline!

    Sim, isso mesmo. Jogos Vorazes é mais "sangrento", tem mais ação... A Seleção está longe de ser um livro ruim, mas também não é a melhor coisa que já li.

    Bjos! : )

    ResponderExcluir
  18. Comprei A seleção em pré-venda mesmo e estou esperando chegar! Li algumas resenhas sobre eles com variadas opiniões, divididas em positivas e negativas (e outras em cima do muro, hahah). Mas, só lendo pra saber mesmo! Bom, eu não compararia com Jogos Vorazes, mas já que você observou.. Pode até ter semelhanças, mas só pelo tema ser COMPLETAMENTEE diferente, as semelhanças se anulam, não é mesmo? Além disso, fiquei meio chateada quando não aceitaram o pilot que fizeram para a série, já que eu costumo gostar mais das séries baseadas em livros que dos próprios livros, hehehe. (Exemplo: The vampire diaries, nem comparação entre os dois!!)

    Beijoss
    http://tempestade-de-estrelas.blogspot.com

    ResponderExcluir
  19. Oi Amanda!
    Primeira resenha que eu leio sobre A Seleção e estou passada com as semelhanças com Jogos vorazes. Não sabia que a história era assim, mas ainda quero muito ler. Acho que talvez eu fique um pouco incomodada, mas nada que vá me impedir de curtir a leitura.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  20. Talvez eu nem me ligasse com essas semelhanças com Jogos Vorazes - ainda não li, mas ainda esse ano pretendo fazer isso. Já esse livro, A Seleção, me chama mais a atenção por causa da capa, nem é tanto pela história.

    Beijos,
    Mandi - Book and Cupcake.

    ResponderExcluir
  21. Também achei esse livro super parecido com Jogos Vorazes, mas nem por isso deixei de gostar dele. o livro é muito bom e a escritora me surpreendeu totalmente em alguns pontos.

    ResponderExcluir
  22. Eu amo a capa dele, é um verde meio água, linda demais!
    A história me atraiu e está com cara de ser bem interessante.
    É sempre bom ler distopias, adoro!
    Beijoos

    ResponderExcluir
  23. estou louca para ler este livro, parece ser muito fofo *-*
    ainda não li o livro né, mas pelas sinopses que li vejo vários pontos parecidos com jogos vorazes!

    ResponderExcluir