Princesa Mecânica - As Peças Infernais #3 - Cassandra Clare

Princesa Mecânica é a tão aguardada conclusão da trilogia As Peças Infernais (The Infernal Devices no original). Faz um tempinho que li este livro, mas estava esperado a tradução para poder comparar e poder falar o que achei nesta resenha. Para aqueles que não querem spoiler dos livros anteriores sugiro que pulem direto para a minha opinião.

Diferente do que geralmente acontece nas obras da Cassie, Princesa Mecânica não começa logo após o livro anterior. Seis meses depois dos acontecimentos finais de Príncipe Mecânico vemos Tessa fazer as preparações finais para seu casamento com Jem, mesmo ela ainda estando com o coração dividido entre ele e seu parabatai, Will Herondale que está lidando não só com a perda de seu grande amor, mas também com a repentina chegada de sua irmã mais nova, Cecily.

Charlotte e o Instituto de Londres também não estão num momento particularmente bom. O Cônsul Wayland quer que ela obedeça cegamente suas ordens, mesmo que fazê-lo seja claramente uma decisão ruim. Tudo só piora quando Charlotte envia todos os seus Caçadores atrás de um Benedict Lightwood que não mais era humano — ele havia se transformado em uma espécie de verme demoníaco por causa da Varíola Demoníaca — sem a aprovação do Cônsul tudo fica ainda mais complicado. Por fim Josiah tenta fazer com que Gideon e Gabriel Lightwood, que agora moram no Instituto, traiam a confiança dela  e passem informações.

Jem que parecia estar mais forte e saudável acaba caindo de cama e isso leva seu parabatai a descobrir que ele vem tomando cada vez mais quantidades do yin fen. Ao procurar por mais da droga que mantem o amigo vivo Will descobre que ela já não está mais disponível em nenhum lugar de Londres porque o Magistrado anda estocando há meses. Este por sua vez propõe um acordo: o seu suprimento quase que inesgotável da droga em troca de Tessa, claro que nenhum dos garotos sequer cogita a ideia e isso faz com que a garota seja sequestrada.

Jem até tenta ir atrás de sua amada, mas está fraco demais e não consegue fazer muito — ainda mais depois de ter lutado contra os autômatos — e volta ainda mais debilitado para o Instituto e o que todos temiam acontece: James está morrendo. O mundo de Will desmorona a seu redor e, graças a um deslize de Magnus Bane — que foi chamado para tentar ajudar o pobre garoto — James acaba sabendo dos sentimentos que Will tentava tanto esconder e faz com que este vá atrás de Tessa.

O que Tessa é e qual sua relevância para os planos de vingança Mortmain contra os Caçadores de Sombras? Como Will pode salvar a mulher que ama? E Jem tem alguma outra opção a não ser aceitar a morte? São muitas questões a serem consideradas e Cassandra Clare consegue dar respostas a todas elas, mas quando você acredita que uma coisa está determinada, a Cassie vem com uma reviravolta de cortar nossos corações.

Preparem-se para muitas mortes, para muitas lágrimas e para um coração partido, no fim do livro você terá muito de tudo isso. A conclusão da trilogia é genial, eu fiquei imaginando por diversas vezes como o Magistrado seria vencido, mas sinceramente? Nunca sonhei que seria da forma que foi e aqui vemos toda a importância que o Anjo Mecânico tem, ele não é apenas um colar que a mãe da garota tinha, há muito mais por trás dele. Sem falar que é aqui que sabemos finalmente o que Tessa realmente é. Claro, havia alguns indícios disso nos outros livros, mas a árvore genealógica da garota é muito mais surpreendente do que supomos. 

O único ponto que acredito ser uma desvantagem no livro está em sua tradução, que venho deixando bem claro desde que li o primeiro livro: deixou muito a desejar! Além de conter alguns erros quanto as gírias, nos exemplares anteriores o nome do Church, gato que todos conhecemos em Os Instrumentos Mortais, foi traduzido para Coroinha e agora, neste último livro, voltou a ser Church. Jonathan Caçador de Sombras foi traduzido para Jonatas (no livro anterior), sem contar que a linguagem é muito menos informal que o livro em inglês, apesar disso, se você não leu o original e não tem um parâmetro para comparar pode ser que não ligue muito para esses detalhes.

As Peças Infernais foi, do começo ao fim, uma trilogia brilhante. Os mistérios e personagens criados fazem com que a Cassandra Clare esteja bem no topo da minha lista de autores favoritos. Se você gosta de um bom mistério e elementos sobrenaturais recomendo que leia esta trilogia, ainda que não tenha lido Os Instrumentos Mortais.


4 comentários:

  1. "Prepare-se para um coração partido" Essa frase tinha que ser grifada porque é isso que esse livro representa. Consegui molhar o travesseiro com Princesa mecênica, parabéns, Cassandra! A trilogia é boa demais, e para mim esse livro fechou completamente com chave de ouro.
    ótima resenha!

    Beijos
    aritmeticadasletras.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo com você Pâmela. Foram muitas lágrimas derramas durante essa leitura, cenas entre Will e Jem, Will e Tessa, Tessa e Jem cortaram meu coração! Foi triste, mas brilhante. Agora é aguardar o lançamento de CoHF pra chorar litros mais uma vez!

      Obrigada por ler e comentar
      Beijos

      Excluir
  2. Olá!
    Ainda estou lendo os instrumentos mortais, terminei cidade dos anjos caídos agora. Estou louca para passar para essa série, pois realmente a escrita é muito envolvente nessas histórias.
    Bjs

    ResponderExcluir
  3. Oi!
    Quero muito ler essa trilogia. Vi resenhas maravilhosas sobre os livros e estou bastante ansiosa e curiosa para saber mais das histórias!

    ResponderExcluir