Revolucionários - Emerson César

Capa e título do livro já transmitem ao leitor uma boa ideia do que ele poderá encontrar nas páginas desse livro. O Congresso em chamas. Revolução. Na sua cabeça isso seria possível? Seria necessário? Utópico? Exagerado? Almejado? Essas são algumas perguntas que certamente o atingirão enquanto estiver fazendo esta leitura.

Revolucionários, do autor Emerson César, apesar de ser uma obra de ficção, traz alguns fatos históricos verdadeiros que ajudam a construir a atmosfera da narrativa. A história se passa em um Brasil do futuro — entre os anos de 2018 a 2023 —, onde encontramos Movimentos que reivindicam uma nova ordem política para o país, a partir de uma revolução do sistema político nacional.

Durante a leitura somos apresentados a vários personagens, porém, temos o foco em dois: Mário e Heitor. Ambos são líderes, porém com posturas distintas. Mário é um pacifista que lidera a Revolução Pacífica, já Heitor está à frente da Revolução Violenta. O objetivo dos dois é o mesmo, no entanto eles usam meios diferentes para alcança-lo.

A narrativa do livro não é linear. Acompanhamos fatos dos anos de 2018, aproximadamente, e fatos do presente — do livro —, em 2023 — nesse último, especificamente do dia 7 de Setembro. Nas páginas do Revolucionários – Parte I encontramos fortes críticas a sociedade — ou melhor, ao “Sistema” — acompanhando a vida e as atitudes de vários personagens. Entre policiais, traficantes, estudantes, grandes empresários e políticos (com reputação duvidosa) conhecemos a realidade desse Brasil que, apesar de ser do futuro, muito se assemelha ao atual.

Você não precisa entender nem concordar com as atitudes de todos os personagens. Durante a leitura você, talvez, se identifique mais com um lado, ou, talvez, concorde um pouco com cada ideologia. Um fato é: dificilmente essa será uma leitura vaga para você. Questionamentos e ideias fervilhando em sua cabeça não faltarão enquanto estiver fazendo a leitura — e mesmo depois de terminá-la.

Durante a leitura eu não senti que o autor tentasse persuadir o leitor a escolher um lado ou pensar de alguma forma. A escrita não é tendenciosa, o autor não tenta te levar para um caminho específico. Ele apresenta, durante a história, algumas perspectivas, então, caberá ao leitor pensar criticamente e ver com o que ele concorda. Afinal, percebemos em muitos momentos da leitura, críticas do autor a essa sociedade alienada, incapaz, muitas vezes, de pensar por si própria e se posicionar. Então, se o livro, de alguma forma, limitasse o pensamento do leitor, acabaria sendo algo controverso, a meu ver. Essa forma de narrar, foi a ideal, acredito. Apresentando perspectivas e deixando que o leitor reflita.

"No Brasil do terceiro milênio, a escravidão que vigora é ainda mais perversa que em suas antigas versões, pois os escravos de hoje, ao contrário daqueles de ontem, não enxergam as correntes que os aprisionam e chegam a amar seus senhores. Esta nova espécie de escravo dificilmente se revoltará contra seus senhores, pois desconhecem que os tenha ou quem eles sejam." — Página 140

A única ressalva que faço não tem relação com a história em si — pois ela muito me agradou —, mas sim em relação à narrativa que, em alguns momentos, ficava didática demais. Algumas vezes não tínhamos nenhum fato novo em relação à história criada pelo autor, apenas fatos históricos que se estendiam por algumas páginas. Não que eu ache que essas informações tenham sido desnecessárias, pois não eram. Mas acredito que elas poderiam ter sido inseridas no texto de forma mais natural, deixando o texto mais fluido.

Este é o primeiro livro da, até então, trilogia Revolucionários do autor Emerson César. Apenas o primeiro livro já foi publicado, mas o segundo volume, de acordo com o próprio autor, deve estar disponível nas livrarias no primeiro semestre do ano que vem. Foi uma leitura bastante proveitosa pra mim, então, recomendo fortemente que o leiam.

VÍDEO RESENHA






Livro: Revolucionários — Parte I
Autor: Emerson César
Site: Dragão Urbano
Editora: Pandorga
Páginas: 253

11 comentários:

  1. Sua resenha me deixou ainda mais com água na boca, rs...
    Louca pra ler o livro...

    Aquela dos 30...
    luaanjo2014@bol.com.br
    http://inevitavelmente30.wordpress.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que sentiu interesse pela leitura! Espero que tenha oportunidade de lê-lo! :) Beijos!

      Excluir
  2. Amanda, adorei a resenha e o vídeo! Fiquei com bastante vontade de ler! :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Marinna! Fico feliz que tenha gostado! Espero que tenha oportunidade de ler o livro! Beijos!

      Excluir
  3. Achei muito legal a ideia do autor. Nossa literatura é tão desvalorizada, ter um autor nacional que teve uma ideia tão bacana quanto essa.

    ResponderExcluir
  4. Adorei a resenha, fiquei morrendo de vontade de ler! E é muito bom ter livros atuais que façam nossa geração pensar...

    ResponderExcluir
  5. Um livro q acrescentará muito. Seria bom q todos lessem e acordassem e lutassem para sair dessa escravidão legalizada.

    ResponderExcluir
  6. Simplesmente fantástica a resenha. É tão boa que dá uma vontade enorme de ler.

    ResponderExcluir
  7. Oi Amanda!

    Gostei, gostei. Apesar de não ser muito fã de História (desculpa sociedade), acho que a leitura me agradaria pelo falo de ser meio distópica, de acontecer no futuro coisas que na verdade já aconteceram - dá pra entender!? HUHAHEUAHEAUEHAUEHAUEHAE

    Achei legal também conhecermos o ponto de vista de duas pessoas com ideais diferentes... Enfim, espero ter oportunidade de lê-lo.

    Beijos!
    http://www.roendolivros.com/

    ResponderExcluir
  8. Ao ver a capa do livro já gostei e pensei se tratar do tema atual das "revoluções" que ocorreram no Brasil desde o ano passado e qual não é minha surpresa ao me deparar com uma história futurista?! Com certeza entrou para minha wishlist e lerei com o maior prazer!

    ResponderExcluir