Mundo Novo - The Young World #1 - Chris Weitz

Mundo Novo é uma distopia escrita pelo cineasta Chris Weitz que foi lançada há algum tempo pela Editora Seguinte e é o livro sobre o qual vamos falar hoje!

Na fantasia criada por Weitz todos os adultos e crianças não existem mais, todos foram mortos e a sobrevivência depende única e exclusivamente dos adolescentes que, de alguma maneira desconhecida, não foram afetados pela grande catástrofe. O que eles realmente sabem sobre o vírus? Só que foi uma arma biológica que saiu de controle e que eles estão com os dias contados porque assim que atingirem a idade adulta eles vão morrer.

Tudo está radicalmente diferente de tudo que se pode imaginar e agora só resta aos sobreviventes fazer o melhor que puderem para sobreviver em uma Nova Iorque completamente selvagem. Animais perigosos são encontrados facilmente no Central Park e o que conhecemos como Grand Central Station é agora uma espécie de mercado, a única coisa que continua são as gangues, mas mesmo estas são diferentes das que costumávamos ver na cidade.

Em um primeiro momento conhecemos a história dos irmãos Washington, eles fundaram o que vamos conhecer como Washington Square, um lugar do qual têm realmente orgulho, pois o lugar possui uma sociedade unida e livre de preconceitos e o respeito permeia a relação entre os moradores. Comparado a tudo pelo qual já passaram, a vida ali não era assim tão ruim para eles.

O que muda tudo é a morte de Wash, logo após completar 18 anos e se tornar um adulto, vítima do mesmo vírus que exterminaria a humanidade, se alguém não tentasse encontrar uma cura. É assim que Jeff acaba entrando em uma missão suicida, convocado a mergulhar na selva que Nova Iorque se tornou porque é provável que a causa do vírus tenha sido descoberta por Crânio — o garoto mais inteligente do lugar — o problema é que ninguém sabia se ele estava delirando ou realmente havia descoberto algo. 

Se realmente há uma chance de terem descoberto uma cura — ainda que esta chance seja bem pequena — e, consequentemente, de impedir que esse vírus faça ainda mais vítimas, como Jeff poderia recusar a missão? Ele sabe que pode estar arriscando a sua vida por nada, mas essa é a única esperança que eles possuem para evitar a extinção da raça humana e por isso ele vai arriscar tudo, mesmo porque é arriscando a sua vida que ele pode impedir a sua morte e ele não quer morrer.

E assim é formado um grupo para a expedição: uma adolescente de 1.50 m com talentos em artes marciais, um garoto muito nerd que não conta com quaisquer habilidades sociais, um obcecado por tecnologia e qualquer tipo de aventura, um líder honrado e uma garota completamente confusa. Eles precisam se familiarizar para trabalharem em equipe e conseguirem voltar vivos da missão.

Mundo Novo não traz nenhuma novidade ao motivo da extinção dos humanos, quem aqui não está cansado de ler sobre armas químicas e biológicas que acabaram criando um mundo distópico — quando não criam zumbis — não é mesmo? O que instigou a minha curiosidade foi a questão dele não atingir os adolescente, foi isso que me fez solicitar o livro para a Editora Seguinte.

Muito do que me chamou a atenção durante a leitura foi o fato de que não existe qualquer esperança para esses adolescente que sabem, até certo ponto, que a vida está limitada e que não há nada que possam fazer para mudar isso, pelo menos a princípio. Fiquei um pouco incomodada com a forma que o Weitz escreve, até me adaptar aquilo, o que demorou um pouco, não entrava na minha cabeça algumas das passagens da obra.

Um dos pontos mais positivos é, com certeza, termos mais de um ponto de vista durante toda a narrativa. Não ficamos presos apenas ao que o Jeff está pensando e isso traz bastante alívio porque os capítulos de Donna, uma das pessoas que o acompanham em sua missão, são mais sarcásticos e, na minha opinião, os melhores.

Essa capa tem aquele efeito emborrachado que eu amo e odeio ao mesmo tempo — amo porque o efeito é lindo e odeio porque fica com marca de dedos — e eu juro que pessoalmente ela é muito mais linda do que aparenta. O tom é um laranja fluorescente que não tem nada a ver com o da imagem, simplesmente linda, gente, é sério (). Ahh, ela possui uma arte continuada que é bastante interessante de se observar quando o livro está em mãos.

Gostei muito do livro e estou muito curiosa para saber o que vai acontecer e o quão perto eles podem estar de uma cura real ou não. Para aqueles que ainda não sabem Mundo Novo é apenas o primeiro livro desta trilogia distópica, então nós podemos aguardar mais aventuras desse grupo peculiar de adolescentes.







4 comentários:

  1. Oi Jessie,
    Olha não sabia que o Chris tinha lançado livro!
    Gostei da premissa, parece ser uma distopia bacana e gostei da capa!

    Será que ele vai adaptar?

    Ótima resenha =D

    bjs e tenha um delicioso final de semana ♥
    Nana - Obsession Valley

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Nana!

      O livro é bom e vale a pena dar uma conferida nele. Não ouvi nenhum boato sobre uma adaptação, mas bem que poderia né?

      Obrigada por comentar!
      Beijos

      Excluir
  2. Ótima Resenha! Ela já me conquistou por eu ter imaginado um mundo de certa forma apocalíptico no livro =)

    ResponderExcluir
  3. Oi Jessie!

    Então, acho que a sua é a primeira resenha positiva que leio desse livro e só isso me deixa com vontade de ler, já que a gente tem o gosto muito parecido. Eu adoro distopia, é um dos meus gêneros preferidos e sempre quero ler qualquer livro desse assunto. A capa também é muito convidativa. Imagina só, já era pra gente estar morta se estivéssemos em Mundo Novo. Não gosto nem de pensar. :$

    Beijo!
    http://www.roendolivros.com

    ResponderExcluir